© 2023 por Armário Confidencial. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Wix Facebook page

O sonho genera



Biblioteca do Alma Historica, Montevideo.

O sobrenome da realidade

Ana Paula Arendt

De que é feito o sonho? Matéria e guardião da alma, estalido raro de aspiração do incerto, o vaso que colheu água de nuvem. O sonho é o sobrenome da realidade.

A gente ri e sonha nos sendeiros da memória côncava escorregam nas linhas o pensamento surgido entre o sono e o dia.

Compõem gesto livre de algo que foi melhor sonhado que vivido.

Juntam-se os muitos sonhos da gente como nuvem nua, aos poucos alongados na linha do horizonte do crepúsculo.

De um sonho vejo de cima, do alto, como a vida é feita de terra.

A gente sonha e quer que eu diga qual é o sonho deles. Sob as pálpebras palpitam os olhos, suspeitando partes do que viram antes e se acontecerá, não se sabe.

Mas pouco importa, porque a linha do sonho escapa, aceno tímido de um portal para a realidade vestida com os próprios olhos.

A gente tinha um sonho e então cada um regenera o seu amor dos anos, a fragrância da primeira viagem sozinho, se movendo dono de si e atrás do mundo; a voz estranha que apareceu numa conversa de primavera entre a espera e o fôlego.

As palavras que vieram organizadas conforme aguardávamos, mas não atingíamos.

Ficou para trás, o sonho? Desfez em água de chuva? Mas eu colhi a água da chuva em meu vaso, para ela evaporar mais uma vez e formar com o sonho dos outros de novo a nuvem.

Sigamos a instrução da alma, deixemos correr nela todo estado de astúcia com que os sonhos adoçam as palavras e curam os olhos.

Venham os sonhos que sem método algum removem pedras, a sua fórmula secreta com que sagram os dias, venham os sonhos da gente desarmar desânimos e fazer de nós um esplêndido espólio.

Ana Paula Arendt, Lousa verde da vida.

#PoemasdeAnaPaulaArendt

16 visualizações