PROCURE POR TAGS: 

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey

A poem for New York


New York Public Library, November 2020.


One hundred streets By Ana Paula Arendt*

(A poem for New York in 2020)


A dagger into the sky: the market of words. A royal time to sigh, inwards and outwards. Inside beauty, outside truth. Do I trust pity or the reader’s ruth? If your eyes are ready for my words to soothe… Be sure I will not exchange My caring for another range. So I tell you with no delay why I write to you in this day. Tenebra kept me here, a hurricane’s breath! On lanes of knocking fear of the future and its path. As many libraries as many seats: I shall tell about yourself. New York, oh amazing streets! Of concrete sod and aerial delph. In the world all the other cities Just clap before your spells. A little torch and gift from Paris And ‘tis boat-sailing May and flowers brought liberty of sprinkling fairies, they grew the instep of the hours! Statues upon my back looking for what I treasured to write: the gold of my brown pen booking a place to dress from paperwhite. To guard the world at healing… For rush not to crash it apart! So I hold your constellation of feelings I find your frontispieces of art. Rise up, New York, the trimmings of all dreams embedded in your chart! But bleak is the safe borough, People in masks, yet no disguise: escaping from pain and sorrow, and strolling for bravery’s prize. Where’s the white noise of your busy jams? I can hear the doors in buildings, when they slam… And a sweet song of the rustle of leaves in trees, of water fountains, of red lifts. Everything sleepy when it grieves… From morning to night, opinion shifts. First alley tells me of human beings: each one a circled fragile life. But the second, of humanity’s wing: indestructible, for made of strife.



"Beauty

Old yet ever new

Eternal voice

and inward word"

Inscription on NYPL's wall,

verses of John Greenleaf Whittier(1807-1892),

American abolitionist



The earnest endeavor of a caring people is on the third block of my next strain. The folk to and fro as sepals but something from them remains: the name of this wondrous Big A pple, where they loved, smiled and waned. Yes, a fruit and a fine: out from paradise. But now your sanguine pome curb such fee, discovered a splendid surprise: New York docile and gentle, eager to see… Its own illuminated glass of skyscrapers, the fresh treads in a porch made as shelter, a view of the moon-floating the skyline and its song; framed by arabesques, the entrances where one belongs. The sturdy stone of the edifices in Madison proves the existence of many brethren: to raise them a force with no comparison, but also sensibility not to break them. But then I stroll back to Park Avenue so I can take some Lexington coffee, until I can reach a week of tenure, I learn about your geography. The Fifth greets me with pink blossoms, it shows me cameos over 100 years on the walls explaining their bosoms and how zigurats didn’t disappear. Broadway interrupts my song: it tells me ironically this poem is too long. But my feet are fond of meeting the challenge: and at Sixth I stop in Bryant’s cenotaph henge. In perpendiculars I’m followed by a new friend: a greyish blue and fat and chatty fairywren. We see buildings molting their covers, overhauls from the First until the Seventh. They seized when days were over, and closed for minstrels in search of leaven. And then a glance on each street shortcut to the golden lean of an autumn park. I promised a verse on each, but until 110th, streets repeat the same arc… They reiterate the achievement of their schedules. Oh, the hard life! But how to criticize straight venues? I greeted from 59th two noble horsemen, and marriages turned carriages every now and then. Your trees curled in amber, but also evergreener than before! Flaxen shrubs in braided paths, ah, the poet’s ore… The Met, Guggenheim, and the city’s old Museum are having a break until our next year’s carpe diem… The Conservatory Garden: the paragon of the United States. Man teaching mother nature how to grow and cheer our fates. Over Harlem I catch a dolmen of jazz, three bridges sloping the horizon over one another. Blossoms along Central Park much as the rays of light falling aslant this mother. In my way back after the lake without swanns I find the frames of your trees around a tunnel: boughs, and their fruits, and falling leaves all set upon; across the ave, rhombus windowpanes with hummels. And then I found Central Park West inmates: behind them golden, old, and secret doors and after them golden, old, and secret gates the shrine of their safe plaid floors… Vessels of York roses engraved in stone vases of true posies: in cold they’re gone. Only New Yorkers here and there circulating as if they took vacations of the world’s ratings. Wait! I hear at the end of the portentous green rectangle a sudden call of my shepherd’s reed. From protesters, an early blockade of NYPD. For them a good day I greet, from all these angles. And then I go down midtown, on 34th to buy me at Macy’s a fair pair of shoes. Until 58th I continue and there’s reward: and lose my time to find a fair amuse. In Herald Plaza a boardwalk for rapid bikes Two owls, Athena, a bell waking up her sake… And listen! A morning tune in the accordion pleat! October postponed its joy to the next month, As before so on, other months’ same plead… Polyptych in windows of my Pontic pons. It sings of silent times, of the end of his street few cars, few moves, few gents, few florists. The heart expecting those they will not meet: the cheerful faces of vanished tourists. Roofless people are so charming in New York! Hard to know how they lost what to wait for. Wait, coming disparagement in someone without posture, the entrance of freight, disgrace, and moisture: a scream of an unknown woman! Alas! Foulness! Oh dear, and my flight, my home, in aweness… The hurricane Eta took away a famous Hondurean bridge the airport flooded by rivers and sea, all flooded but the ridge… And still the virus at which a third of people snore advances ceaselessly on graves with no bore. I search the safe spots while I wait for it to pass. My flight is there postponed, but kept, at last. And then a nostalgy, for I remember the first time I saw you: a postcard from any sender… A pilot who flew with me, as passenger, his tender to fly Rio-New York, and he enjoyed so much our talk he said he would send me a card, from a Manhattan walk.



"But above all things

Truth

beareth away

The victory"

Inscription on NYPL's wall,

verses of Apocrypha,

1 Esdras Chapter 3.

So in my wait of memories I search for beauty in the bights, but suddenly so deep is the gloam of this night… I remember my childhood, and my children, the same plight. On lower Manhattan, there I drive as my body decrees also women in half-dresses searching for bachelor’s degrees… And where is love in this city of much desire? He gaits towards me! But he doesn’t see the wire holding all things, paralysing urban layers alone he made my heart shoot fast in many prayers. A man my age, my culture, with gulf clubs in a-a-a bag happily wandering his way back home, I blush not to flag. I’m in mask, pants, heavy coat: and I do not beg… Love is gone. A motley crew quickly moving, love withdrawn. Citizens on the 5th, discouraged and worried about elections… Still some find a musical trio to play confections at Dante Caffe, near Washington Plaza’s affections. But I’m loyal to the one love that didn’t notice me: all night I’ll dream of him, in debt and doubt if I’m free… But my smile by a rider is promptly recovered: a silk scarf of deer stamp, enshrouding his face, louvered… New York…! A mask-scandal riding cheerfully… Did you know about my passion for your indifference to harmony? And does your heart beat blood to other towns? Does your pulse make live and breathe the dew in dawn of New Haven, Hartford, Houston; In Harrisburg, Atlanta, Boston… All states counting votes and faces of who lost them. The outward cant of your vanishing points to Paris, and Tokyo, and Rio, and Rome, and London, and Berlin, all universal joints; in streets some say reverted the poor life inside a dome. Oh night! Now turned light as flying feathers falling from the firs on my sight, on my shoes of leather. New Yorkers spelling on white wood Italian tables a hum from the mountain, a birth of middle-earth fables… The brick lintels, door jambs, and masonry portals assure me your personality is a tenet: immortal. From the pride of those who built a dreaming place where we find the perfect dress, the fitting deed, the finest case… Where streets are safe for a poet to sing every grace. Aye! I feel the touch of a satisfying tooth on this paper, the smell of virgin sheets I kindly asked the stationers… Sparks glisten in the prism of gemstones on my gown: they move the lines I am writing in you, alone. The eternal and moving city of Rabbis Schneersons… They offer me goodness, company, a picture of wisdom. Back to the Public Library: beauty and truth’s kingdom. And I come through a 41st St. of wit inscribed in gold: for someone laid bevels of best quotes, on sidewalk’s road. But time to fly away from you, the time of toil’s load… In my way a huge hare and a cunning dog having tea: at the hall of modern businesses plaza on 46th S-t. Hail to the final scene! Manhattan reflecting over the water a casting shine I sailed with my sons and my daughter. New York, you’ll never know how magical you are! Monochrome from the light bulb of the scions and same stars… The Hudson makes you no mirror, East River doesn’t keep your steam ‘cause so far and so beautiful is the memory of my esteem… You could never remember how we laughed, amused, and cried in movies and adventures of our childhood’s screen delight. When days were warm and sugared, for your ghosts coming out from manholes covered, for a kid forgotten by parents who didn’t push over, heroes fighting monsters for you not to be over… Love stories reaping tears for a happy end uncovered. Chinese, Iranian, Ukrainian, Venezuelan, and me, Brazilian we see beyond each other, for this same care we are the stillions. But you… You will never know how much one can loves you! Because you have never seen yourself in sudden blue for finding you in an old postcard I once wished true. You’re in disdress for now, but I’m sure you knew this song was coming, our encounter the ages through.


*Ana Paula Arendt is a Brazilian poet and diplomat.

Member of the NY Academy of Sciences and of the Lisbon Academy of Sciences, Class of Letters.







Images: photographed by Juan Carlos Domínguez, Venezuelan photographer and screenplayer; dress by Mr. Jay’s Rahmani, 39A West 37th St; braid by Ms. Tanya, Concord Hair Salon.




Uma centena de ruas

Ana Paula Arendt (Para Nova Iorque em 2020)


Um punhal mira o céu: o escambo de palavras. Verdadeiros réus, por dentro e por fora a lavra. Por dentro a Beleza, por fora a Verdade. Será que confio na realeza de um pio leitor na cidade? Se é que tua alma reza, se é que esta flor dá saudade. A treva me reteve aqui, com o sopro de um furacão. Em avenidas do que temi, o futuro e suas várias mãos. Tantas bibliotecas quanto cadeiras: desde cada uma falarei de ti bem séria. Nova Iorque, ah, tuas ruas alvissareiras! De soalho concreto e venas aéreas. No mundo todas as outras aldeias aplaudem as tuas sotérias. Uma tocha e homenagem de Paris mais este navio de flor de maio fizeram a liberdade de fadas anis, cresceram o pisar de catraio. As estátuas sobre os meus ombros dando olhada no que eu escrevo: mas o ouro de minha pluma é hombro, eu mantenho o que é de alto relevo: guardar o mundo enquanto se cura… Para a pressa não estragar a demora! Levanta, Nova Iorque, eu te encontrei pura, as joias cravadas nas tuas mais belas horas! Eu ergo constelações do que me juras, os sonhos quando a emoção aflora. E encontro os frontispícios de vidonha frescura, a arte em toda parte te comemora. Mas erma é a paragem segura, com máscaras e sem disfarce: fugidos da dor e da lástima dura, passeio o prêmio de encorajar-se. Mas e o murmurinho de teus engarrafamentos? Escuto as portas nos prédios, batendo por dentro. E há uma canção amena no farfalhar das folhas nas árvores, fontes serenas, em elevadores-bolhas. Tudo dormente quando fora do centro… De um dia para o outro, mudam as escolhas. A tua Primeira via me fala do ser humano: cada um deles é uma esfera de vida frágil. Mas a Segunda, da humanidade o plano: indestrutível, pois de sofrido sufrágio. O mais honesto esforço de gente amorosa está na Terceira quadra de meu passo a gente vem e vai qual pétalas, mas algo de nós fica em teus braços: o nome de enorme maçã fervilhosa em décadas, onde amamos, rimos e não deixamos traço. Sim, uma fruta e uma pena: fora do paraíso. Mas agora o pomo rubro não é problema, é lugar de pronto gozo e vero sorriso! Nova Iorque dócil e ávida por um poema… Sobre seus arranha-céus de vidro iluminado, sobre os degraus de um alpendre aconchegado, sobre a visão da lua flutuando no céu feito nave errante; Os toldos de arabescos onde o coração canta suave e distante. A pedra firme dos edifícios da Madison me provam a existência de teus confrades: para erguê-los imensa força nos pediu som, mas também uma delicada sensibilidade. E então eu flano de volta à Park Avenue, para tomar meu café na Lexington bem ébano. Até completar uma semana de meu mandato eu aprendo sobre tua geografia, teus fatos. A Quinta Avenida me acena botões de rosas e me mostra camafeus centenários com glosas. Nas paredes me explicam o que há no peito: como os zigurates duram sem nenhum defeito. A Broadway interrompe a minha música: alega ironicamente muito longa esta veia lúdica. Mas os meus pés estão a fim de um desafio: e na Sexta eu me escoro num cenotáfio vazio. No Bryant Park sou seguida por um novo amigo: um cinzento, azulado, bem gordinho carriço comigo. Vamos vendo os prédios em ecdise de fachadas, reformas da Primeira Avenida até o sendeiro Sétimo. Aproveitaram a quarentena de muitas jornadas, puseram tapumes aos menestréis nos seus étimos. E então uma mirada de soslaio em cada atalho até um parque de leitos dourados, o outono em galhos. Eu prometi um verso sobre cada rua, mas até à 110ª, elas escrevem o que habitua mais. Elas reiteram o grande acontecimento de uma rotina ah, o trabalho! Mas como reclamar de uma vida sem propinas? Saudei desde a 59ª dois nobres cavaleiros, suas bodas que em carruagens às vezes se tornam cocheiros. Suas árvores retorcidas em âmbar, contudo muitas perenes e verdejantes! As moitas louras em trilhas trançadas, ah, a mina dos poetas viajantes… O Met, o Guggenheim e o velho Museu da Cidade estão adiando para o próximo ano a nossa felicidade… O Conservatory Garden é a parangona dos Estados Unidos: o homem ensinando a natureza a celebrar fados crescidos. Sobre o Harlem vejo um dólmen de jazz, três pontes escapando em horizonte uma da outra. A floração em todo o Central Park é nota dez: os raios de luz delineiam as maternas fontouras. No meu caminho de volta pelo lago sem cisnes cisma a moldura de tuas árvores ao redor de um túnel: ramos e seus cachos, folhas corrediças antes do plenilúnio. Ao cruzar a avenida, janelas de losangos com gaipos, não me disma… Então encontro os residentes de Central Park West: eles entram em portas douradas, antigas e secretas depois delas portais dourados, antigos e secretos o relicário xadrez de seus soalhos passam no teste. As vasilhas de rosas de York inscritas na pedra. Os vasos de um buquê original: no frio se quebra. Apenas nova-iorquinos aqui e acolá circulando em férias dos rankings mundiais até Deus-sabe-quando. Um momento! Escuto ao fim do portentoso e verde retângulo a tuba urgente do meu cuidadoso e gentil pastor: um bloqueio preventivo da NYPD, de protesto temor. Para eles saúdo um bom dia desde todos os ângulos. E sigo em frente até Midtown, na 34ª. comprar um par de sapatos na Macy’s, postar uma carta. Até a 58ª venho e volto e encontro recompensa: eu perco meu tempo para encontrar uma verve intensa. Na Herald Plaza uma pista ininterrupta para bicicletas: dois mochos, Atenas, a deusa, com um sino me completa. E escute! Uma melodia matinal nas teclas de acordeão! Outubro adiou sua alegria para o próximo mês, e assim por diante, ao revés, dos meses orfeão... O políptico em janelas uma ponte pôntica me fez. Ele canta sobre tempos silenciosos, sobre o fim da sua rua, De poucos carros, nenhum grupo, sem cinesias nem floristas… O peito buscando aqueles quem teu conhecimento exclua: os rostos alegres e deslumbrados dos sumidos turistas. Os moradores de rua são tão charmosos em Nova Iorque! Difícil saber como perderam o rumo e a sorte. Mas espere, surge o infortúnio em alguém sem postura, a entrada da fúria, da desgraça, da confusão: O grito de uma mulher, de espanto! Ai! A loucura! Deus, e meu voo, o meu lar, a estupefação! O furacão Eta devastou uma famosa ponte hondurenha; o aeroporto encharcado, submerso, me desdenha… E ainda por cima o vírus que um terço da população esnoba avança impiedoso sobre as lápides e tudo engloba. Eu busco locais seguros enquanto espero passar o perigo. O meu voo é adiado mais uma vez, mas enfim mantido. E então me vem uma nostalgia, porque então me recordo da primeira vez em que te vi: em um cartão postal, a bordo de meu primeiro voo, de um piloto que voou ao meu lado Como passageiro, mas tão boa nossa conversa e escolta Que na ponte Rio-NY, prometeu me enviar um cartão na volta. Então na minha véspera de memórias busco a beleza das esquinas, mas de repente tão escura é a sombra da noite que me inquilina… Pois pensei em minha infância e em meus filhos, a mesma rima. Na baixa Manhattan, para lá eu rumo, o meu corpo decreta e lá também mulheres seminuas caçando solteirões na reta. E onde encontro o amor nesta cidade do desejo? Ele ginga em minha direção! Mas não vê o que eu vejo: o fio segurando todas as coisas, paralisando as camadas urbanas sozinho ele fez meu coração disparar em preces arcanas. Um homem da minha idade e tribo, com uma b-b-bolsa de golfe Feliz da vida voltando para casa, eu ruborizo, não que eu solfe! Arrumo minha máscara, minhas calças, o casaco me afoufe… O amor se foi. Uma tripulação arredia passou por cima dele. Cidadãos na Quinta Avenida, reclamando das eleições e coisas reles. Mesmo assim encontro um trio musical cantando confete no Dante Caffe, a Washington Plaza com o amor compete. Mas minha lealdade a quem nem me viu insiste: Toda a noite sonharei com ele, a cogitar o que não existe... O meu sorriso de ver um ciclista logo me distrai: Um lenço de seda com cervo, amarrado igual fazem no Uruguai. Nova Iorque..! Uma máscara escandalosa pedalando alegremente… Sabia o quanto me atrai, a tua indiferença ao que é tão urgente? E o teu coração? Bombeia o sangue a outras cidades? Será que teu pulso faz viver e respirar o orvalho que agrade as manhãs de New Haven, Hartford, Houston; de Harrisburg, Atlanta, Boston… Todos os estados contando votos e as caras de quem não goste. A tendência expansiva de teus pontos de fuga se estende a Paris, Tóquio, Rio e Roma, e Londres, Berlim e a todos os centros de rusgas, em cada lugar nos dizem revertida a vida em redoma. Ó noite! Agora vertida em leveza de plumas flutuantes caindo dos abetos em meus cílios, em meus sapatos de caminhante. Nova-iorquinos confabulando em mesas de madeira branca italiana Um assovio da montanha, um parto de fábulas arganas… Os lintéis de tijolos, as vergas das portas, os portais maçons me asseguram que sua personalidade exorta ter os necessários dons. Do orgulho daqueles que te fizeram ser lugar onírico onde encontramos o vestido perfeito, o dever ideal, o encarte satírico… Onde as ruas são seguras para o poeta te tomar como encargo lírico. Sim! Eu sinto o toque macio e satisfatório sobre este papel com sinete, O cheiro de folhas virgens que busco escrever no meu gabinete. Faíscas brilham no prisma da pedraria de meu vestido: Elas movem as linhas que acho em teus nós, eu-só, sem ruído. A eterna cidade em movimento de Rabis Schneersons… Oferece-me bondade e me salva do alheio parentirso. De volta à Biblioteca: a beleza e a verdade me afastam do arrediço. E eu chego por um caminho na 41ª assentado em placas: Alguém poliu biséis com adágios, de lâminas afiadas em Ítaca… Mas chegou a hora de ir-me, meu voo, há labuta e fardo. E na 46ª. uma lebre imensa tomando chá com um cão pardo No saguão de uma praça moderna, de negócios, com enredo árduo. Ave paisagem final! Manhattan refletida sobre a água noturna: um brilho que naveguei com minha filha e com meus filhos, minha turma. Nova Iorque, jamais saberás o quanto és mágica! Monocromática da luz incandescente das estrelas novas e das fágicas… O Hudson não te faz espelho, O East River não conlui o teu vapor pois tão longínqua e linda é minha memória de ter-te amor… Jamais poderias se lembrar como rimos, nos divertimos e choramos Em filmes e aventuras naquela tela dos primeiros anos… Quando os dias eram calorosos e açucarados, Dos teus fantasmas saindo de bueiros escavados, De um guri esquecido por pais despreocupados, De heróis lutando pelos teus cantos inacabados… De histórias de amor deixando nossos rostos molhados. O chinês, o iraniano, o venezuelano, a ucraniana e eu, brasileira nos compreendemos pelos olhos, pois te amamos da mesma maneira. Mas tu… Tu jamais saberás o quanto podes ser amada! Porque jamais te viste tomada por um soluço de choro de encontrar o cartão postal que por tanto tempo foi meu soro. E estás agora em angústia, como estivemos em outros coros; Mas bem sabias que viria, esta nossa canção de eterno foro.


A. P. Arendt. Hinário do mundo.





© 2023 por Armário Confidencial. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Wix Facebook page